DEUS É CONFIÁVEL


“Pois tu és a minha esperança, Senhor Deus, a minha confiança desde a minha mocidade” Salmo 71.5

Há muitas pessoas que têm uma esperança vazia. A confiança na riqueza material, no poder político, na beleza física ou na sabedoria humana sempre traz amarga desilusão. A confiança na religião, nos ritos sagrados, nos predicados morais e nas obras de caridade, como fundamento da salvação, não passa de um malogro. Nenhuma filosofia humana, nenhuma psicologia de autoajuda, nenhuma meditação transcendental pode dar esperança para o homem.

O salmista entendeu essa realidade e tomou sua decisão. Voltou-se para Deus e fez dele a sua esperança. Sua decisão não foi movida pelo sentimentalismo nem mesmo regida por um dogma inflexível. Sua decisão foi estribada na experiência. Ele conhecia a Deus desde a sua mocidade. Deus foi fiel com ele o tempo todo e em todo o tempo. Deus o criou maravilhosamente, o sustentou compassivamente, o guiou providencialmente, o salvou graciosamente e o fortaleceu desde a mocidade até às cãs.

Deus é aquele que nos guia pelas veredas da justiça e desce conosco aos vales da dor. É aquele que unge nossa cabeça com o óleo da alegria e nos põe uma mesa no deserto. Deus é aquele que nos ampara com bondade e misericórdia todos os dias da nossa vida, nos toma com a sua mão direita, nos guia com o seu conselho e depois nos recebe na glória.