A VERDADEIRA APOLOGÉTICA


Uma das áreas em que a teologia mais sofre danos nos nossos dias é a apologética (Defesa da Fé). São duas razões que me fazem dizer isso: 

1. Alguns acham que não vale a pena lutar pela verdade, que isso é intransigência e divisionismo! Essa tendência tem aberto portas a erros e heresias em nome de uma falsa paz.

2. Outros acreditam que podem responder todas as perguntas e, se tornam de fato intransigentes, divisionistas e orgulhosos! Essa tendência tem apresentado uma faceta belicosa e insensível ao evangelho!

A Bíblia é equilibrada e nos mostra que há momentos em que a paz é necessária e nem todas as perguntas precisam ser respondidas (ex: Jesus não responde aos discípulos se ele restauraria o reino a Israel em Atos 1); mas há momentos em que ele se levanta diante dos fariseus e chega a lhes chamar de "sepulcros caiados". Como saber o momento?

Elias nos ajuda em I Reis 18. Havia 3 anos e meio depois de sua dura Palavra ao rei Acabe, agora ele usa o profeta Obadias para apresentar-se novamente diante de quem há tanto tempo procurava-lhe tirar a vida.

"És tu o perturbador de Israel?" Perguntou Acabe, ao que Elias responde: "Eu não tenho perturbado Israel, mas tu e a casa de teu pai, porque deixastes os mandamentos do Senhor".

Essa atitude corajosa de Elias vai adiante, pois ele é tão confiante no poder do seu Deus que manda chamar todos os 450 profetas de Baal, diante de quem chegou a zombar, pois algo extraordinário estava para acontecer. 

A cena termina com o poder de Deus respondendo a oração de Elias e ao cair fogo do céu que consumiu todo o holocausto, em seguida foram mortos todos os profetas de Baal.

O povo tinha diante de si a pergunta do profeta: "Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o, se é Baal, então segui-o".

Note que foram mais de 3 anos no exílio em Sarepta para só depois, e por pouco tempo, mostrar o poder de Deus nas suas palavras até que o povo o seguiu dizendo: "O Senhor é Deus, o Senhor é Deus"!

O evangelho de hoje carece de poder também pelas mesmas duas razões:

1. Falta coragem ao primeiro grupo para enfrentar os inimigos na hora certa, com a demonstração do poder de Deus. Afinal, "precisamos estar sempre prontos para responder a cada um a razão da esperança que há em nós!

2. "Falta humildade e bom-senso ao segundo grupo para saber a hora de não falar e que o objetivo da apologética não é vencer debates, mas ganhar corações, afinal, "as armas da nossa milícia não são carnais, mas são poderosas em Deus para destruir fortalezas e anular sofismas, levando todo pensamento cativo à Palavra de Cristo."